robocupJr

As regras da modalidade prática seguem as regras da RoboCup®Junior Rescue Line.

A missão se caracteriza por simular um ambiente de desastre em mundo real onde o resgate de vítimas precisa ser feito por robôs. Em um ambiente hostil, o robô precisa ser completamente autônomo para cumprir sua missão de seguir uma trilha cheia de obstáculos e desafios. O robô terá que ser ágil para superar terreno hostil (redutores de velocidade) sem ficar preso; atravessar terrenos desconhecidos (gaps na linha) onde a trilha não pode ser reconhecida; desviar de escombros (obstáculos) e subir montanhas (rampa) para conseguir salvar a vitima (lata de refrigerante), transportando-a para uma área segura (ponto de evacuação) onde os humanos podem assumir os cuidados da vítima.

 

Etapa Regional

A arena utilizada na primeira fase (etapa regional) da OBR é uma versão simplificada da tarefa de resgate da RoboCup® Federation® nas competições da RoboCup® Junior Rescue Line. O tamanho das salas é menor em relação à arena oficial da RoboCup® e a tarefa a ser realizada também é menos complexa.

As regras da regional para o este ano pode ser encontrada em Documentos.

Etapa Nacional

As equipes que participarem da fase final nacional competirão na arena oficial, segundo estritamente as regras vigentes da RoboCup®.

As regras originais da RoboCup® Junior Rescue Line podem ser encontradas no website da RoboCup (em inglês) ou  traduzidas em Regras Robocup Rescue Line – Final Nacional em Documentos.

 

DÚVIDAS FREQUENTES:

1. Alteração na composição da Equipe/Grupo da Modalidade Prática após encerramento das inscrições

Serão permitidas alterações na composição da equipe inscrita na Modalidade Prática da OBR no sistema Olimpo após a data de encerramento das inscrições da seguinte forma:

1.1 A alteração da composição somente pode ser realizada pela Secretaria da Organização Nacional da OBR, logo as solicitações de alteração deverão ser enviadas por e-mail: organizacao@obr.org.br pelo professor/tutor responsável pela inscrição da equipe e o mesmo deve aguardar a confirmação da alteração via e-mail.
ATENÇÃO:
• No e-mail de solicitação de alteração deve obrigatóriamente constar os nomes completos dos estudantes que serão alterados e as ações respectivas (subtituir, incluir, excluir, etc), o nome completo do professor/tutor responsável pela inscrição dos estudantes e o motivo da alteração.
• Os novos estudantes a serem incluidos nas equipes já devem possuir o cadastro pessoal no sistema Olimpo e devem estar registrados no perfil do professor /tutor responsável pela inscrição.

1.2 Serão válidas somente as alterações registradas no sistema Olimpo. Não serão permitidas alterações realizadas no local do evento, e caso ocorram, não serão consideradas como inscrições válidas, logo não serão emitidos Certificados de Participação e Premiação.

1.3 Somente poderão ser alterados os componentes (estudantes) de equipes inscritas até a data de encerramento do período de inscrição.
ATENÇÃO: Equipe inscrita significa equipes registradas com pelo menos 1 componente (estudante) até a data de encerramento do período de inscrição no sistema Olimpo.

1.4 Serão aceitas solicitações de alteração na composição da equipe via e-mail no máximo até 5 dias antes do primeiro evento de competição da equipe. Não serão realizadas alterações na composição da equipe para as competições posteriores (Estaduais e/ou Nacional).
ATENÇÃO: Após o recebimento da confirmação da alteração na composição da equipe por e-mail, o professor/tutor responsável deve imprimir o Relatório de Inscrição – Mod. Prática emitido através do sistema Olimpo (procedimento detalhado no Manual de Inscrição – pag. 29) e levar no dia da competição para o local do evento para comprovação da alteração caso seja necessário.
 

2. Qual sensor eu posso ou não usar no meu robô ?

Qualquer robô ou componente eletrônico completo, comercialmente disponível, que se enquadre na categoria de “seguidor de linha” ou “robô para resgate” será sumariamente desclassificado, caso modificações significativas, tanto em hardware quanto em software, não tenham sido realizadas pelos alunos.

Um exemplo pode tornar isso mais claro.

No mercado existe um sensor de linha chamado:  NXTLineLeader
A mesma empresa fez outro, chamado: LightSensorArray

O NXTLineLeader foi proibido pela RoboCup. Isto porque, ele continha um microcontrolador e um programa interno que já fazia a detecção e controle da linha para o robô. Ele fazia o trabalho de detecção da linha pelo Aluno.

Seu substituto, chamado LightSensorArray foi liberado pela RoboCup. Isto porque ele é um Array de sensores que não controla nada, apenas retorna os valores de cada sensor. Isto força o aluno a detectar e programar o controle da linha por meio dos valores retornados por esses sensores.

Perceba que, com isso dito, se o sensor, componente eletrônico ou robô já tem programação e processos automáticos implementados, eles serão proibidos. Se eles apenas completam o robô com nova tecnologia que ainda precisa de trabalho e suor dos alunos para ser apropriadamente usada, então está liberado.

Outro exemplo de sensor eletrônico que pode ser usado:  QTR-8A Reflectance Sensor Array, pois exige o uso de um microntrolador adicional, programado pelo aluno, para conseguir usar a informação retornada pelo Array de Sensores.

 

 

Documentos Importantes desta página

book


MANUAL DE REGRAS – REGIONAIS

 book

REGRAS RoboCup Rescue – FINAL NACIONAL

65,565 total views, 29 views today